Pé na Tábua

Pé na Tábua
Cia. de Sapateado

domingo, 22 de maio de 2011

Pé na Tábua na Feira do Livro - Dia 04 de junho


A Cia. Pé na Tábua fará uma participação especial no Show "Percutindo e Ouvivendo", do percussionista DEVA MILLE.

A música sapateada será "Salada de Som", faixa gravada no CD Percutindo e Ouvivendo! Escutem!!!

Dia 04 de junho (sábado), às 20h, na Esplanada do Theatro Pedro II

Apareçam!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

TUDO é SOM em Ribeirão e em Araraquara (24 e 25 de maio)




Cia. Pé na Tábua e o Projeto Amigos da Casa apresentam:
"TUDO é SOM" - Dia 24 de maio (terça), às 20h, no Theatro Pedro II (Rua Álvares Cabral, 370 - Centro. Ribeirão Preto)
Ingressos: R$ 10,00 (inteira), R$5,00 (meia)

A Secretaria de Cultura de Araraquara apresenta:
TUDO é SOM - Dia 25 de maio (quarta), às 20:30h, no Teatro Municipal de Araraquara (Av. Bento de Abreu, s/n). Entrada franca- distribuição de convites a partir das 13h do dia 25/05.
Neste mesmo dia, a Cia. oferece workshops de nível intermediário às 14h, e de nível avançado às 15:30h. Número de vagas: 25. Local: Escola Municipal de Dança Iracema Nogueira - Rua Vicente Jerônimo Freire, Nº 12, Vila Xavier, fone: 16-3301-1929

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Espetáculo "Tudo é Som" conquista público e tira sons da plateia

Espetáculo "Tudo e Som" conquista público e tira sons da plateia (jornalista Doralice Ribeiro do Nascimento)
Ver na íntegra: http://garcaonline.com.br//?portal=gonline&gonline=noticia&CD_NOTICIA=6607


Na última sexta-feira, 29 de abril, foi mais um dia de espetáculo cultural na Sala Miguel Mônico e as expectativas, como sempre, eram as melhores. A Companhia de Sapateado Pé na Tábua trouxe o espetáculo "Tudo é Som" que começou de forma diferente. A Sala Miguel Mônico estava cheia - sobraram apenas os espaços daqueles que pegam os ingressos por pegar -, e no meio do público prefeito e vice prefeito se fizeram presentes. No final de umas curtas palavras a ordem e o desejo do chefe do executivo veio com a frase "Pé na tábua. Pé no Palco".

Antes mesmo que as luzes iluminassem o palco o som eclodiu por toda Sala Miguel Mônico. Pareciam vir detrás das coxias, mas no iluminar da cena vimos que vinham do palco. Do corpo. Das mãos. Dos olhos. Do sorriso. Das bailarinas. Vinham dos poros e do desejo.

Tudo é som.

No show do sapateado, o som veio, primeiro das mãos (acho que na realidade veio primeiramente do desejo de se fazer o som). O sapateado tirou das mãos e do corpo o som que todos pensavam que iam ouvir e ver dos pés. Depois o som veio com o gingado e enfeitado pelo sorriso das bailarinas. Um som/show a parte. E fui vendo que somos instrumentos musicais. Basta tocar.

Mas, já com o espetáculo iniciado, foi que todos viram/ouviram mais um diferencial. Um som que antes não fora ouvido em outros espetáculos. Não foram as palavras do prefeito. Foi à autorização para se manter conectado ao celular. Poucos acreditaram na ordem que foi frisada - como se já desconfiassem da desconfiança do público (certamente alguém pensou que a pessoa fez o anúncio errado, e muitos já tinham desligado os aparelhos).

"Não desliguem os celulares. Não é proibido conversar. Podem aplaudir. Podem fotografar. Podem filmar o espetáculo. Afinal tudo é som."

Não me lembro de no decorrer do espetáculo, ter ouvido o som dos celulares. O som que vinha do palco conquistava e relaxava. A cada toque, mover de pernas, ginga, o público ia às palmas e gritos - afinal tudo é som.

Me senti convidada ao toque e no estralar dos dedos quis dançar. E no meio de tantos sons, de repente, deixei um espaço para a raiva. Elas dançavam, dançavam, faziam sons, tiravam sons e ...........cadê o som do cansaço????
Ele não veio da mesma forma que o sorriso não foi. O som do sorriso foi uma constante: lindo, leve e musical.

Roberto Carlos veio participar da festa com seu som "Se você pensa", assim como vieram os Tribalistas e outros ritos que o público gostou. Os meninos músicos se misturaram as cores sons das bailarinas
Os músicos fizeram o som. As bailarinas se transformaram em sons e o público aplaudiu o som.

A cada entrada as meninas "duracel" mostravam que havia ainda espaço para o som ginga, suingue e molejo. Foram sons a parte.
E se tudo é som, as sacolinhas plásticas, que estão com fim decretado nos supermercados, deram a volta por cima. Mostraram que são instrumentos musicais. Mostraram que são sons.

E depois do espetáculo, a troupe mostrou que ainda tinhas sons para emitir. Atendeu o público. Se tornou um. Trocaram endereços eletrônicos, sorrisos e experiências. Posaram para fotos e fizeram o som da simplicidade. O som da amizade. O som do bem receber.
Questionada sobre de onde vinha o fôlego Renata Defina, ainda sorrindo, disse: "Sempre atendemos as pessoas. Tem muita criança em nossos espetáculos, que de repente querem falar com a gente. Fotografar".
O som do respeito.

As meninas que no sapateado trouxeram a formação do balé clássico trouxeram também alma e ritmo somados à criatividade da coreografia.
E foi assim, com o som da alegria e do desejo de quero mais, que vimos o som da frustração. Era hora de vir embora. Era preciso dar as meninas o som do descanso.

Texto: jornalista Doralice Ribeiro do Nascimento
Foto: Laura Nascimento

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Pé na Tábua no Teatro de Arena - 08 de maio - Domingo, a partir das 16h!

Neste domingo, dia 08 de maio, a partir das 16h, acontece a:
5ª Ação MultiCultural do Movimento Pró Arena!

- Oficina de Malabares - Grafite ao vivo
- Discotecagem - Projeções
- Exposição de obras de João Naccarato
- Exposição de fotos de Vã Villac
- Música: Abiosi; Dom Amaro; Família Imperial e Chavala Talhada
- Dança: Cia Pé na Tábua e Tum-ta-tá Experimento Coreográfico
- Teatro: Pipinela com Marcelo Ribeiro e Karol Nurza da Cia Boccaccione; Barão de Mauá; Grupo Zibaldoni e André Cruz

Portões abertos ao público - Entrada Gratuita

Saiba mais sobre o Movimento Pró-Arena em: http://movimentoproarena.blogspot.com/